quarta-feira, 28 de abril de 2010

O início de mais uma aventura...

Caros leitores PL,
hoje começo uma longa viagem de Coimbra até Sion, onde vou estagiar por 7 meses... depois de muita indecisão sobre o nome do blog, optei por continuar com o mesmo blog de sempre com algumas modificações... Por isso aqui deixo a morada para quem o quiser seguir:
http://perdudansparis.blogspot.com/

Beijinhos para todos e até breve (na blogoesfera).

domingo, 25 de abril de 2010

Um clássico da bd plimiana

Sim, é verdade que são (excessivamente? Não acho!) notórias as influências do traço de Jean Graton, mas esta sempre foi uma das minhas bds favoritas de sempre, publicada no inimitável Teatral, magazine dirigido superiormente pela dupla Zé-Chico (era assim que se chamava, a sério!) e fez furor nos primeiros anos da década de Setenta. Fiquem portanto com o extraordinário O Maldito Erro do grande MRPL. Peço desculpa porque a reprodução das imagens não faz justiça à qualidade da produção original, mas se a minha digitalizadora já funciona outra vez, o meu pouco jeito continua o de sempre. E, prometo, deste baú hão-de aparecer outras preciosidades. A seguir, com muita atenção!!!











































sábado, 24 de abril de 2010











PARABÉNS ZG!!! :)

Hoje, dia de jogo decisivo - portanto, num ambiente que não podia ser mais adequado! - ZG entrará na maioridade! Mais um PL, portanto, que ultrapassa a barreira "mítica" dos 18 anos. E ZG fá-lo (as usual- sim, o recurso ao inglês não podia deixar de ser uma piadinha ao nosso homenageado de hoje) em grande estilo!
ZG com 18 anos?! Terá o tempo passado demasiado depressa? Há uns dias, numa conversa com amigos, disse, de repente "Vocês sabem que o meu afilhado já vai fazer 18 anos?!". E, desta vez, a resposta foi diferente da habitual (a qual costuma ser "sim, já sabemos isso, estás sempre a contar os sucessos do afilhado"), não estando muito distante de um "Já??!! Mas eu lembro-me de ele ser PEQUENINO (bom, pequenino, pequenino, o ZG nunca foi...)! Não PODE fazer 18 anos!".
Ora - e deixando de lado os complexos de idade de gente que avança nos trintas - a verdade é que (e apesar de eu também me lembrar de o ZG ser pequenino, e também me parecer que isso não foi assim há tanto tempo quanto isso...) todos esses anos já estão, e muito bem, dobrados. Isto porque o ZG não perdeu tempo, nestes primeiros tempos da sua vida!
Basta pensar no seguinte:
1) o ZG (e tínhamos de começar por aí!) é, hoje - e depois de um princípio de carreira notável, a que dedica muitas das suas energias e atenção - um brilhante jogador de rugby! Começou, efectivamente, pequenino, numa parcela (1/6?) de campo, para agora liderar campos inteiros. Quem, por essa net fora, for em demanda de elogios do nosso aniversariante (não esquecento que um par de textos de gente invejosa com dor de cotovelo com que eventualmente nos possamos deparar também cai nesta categoria, pois acabam por ser "elogios deturpados", ou "a contrario") terá um AMPLOOOOOOOO campo de investigação pela frente. ZG é presença regular e constante nos sítios onde se comenta e pensa o rugby nacional!
2) O ZG é, também, uma das melhores pessoas que eu conheço. Ele pertente ao restrito grupo daqueles que são MESMO boas pessoas. Solidário, empenhado, preocupado com os outros, sofrendo azares alheios. É a pessoa que sabe estar nos momentos complicados e nos momentos bem dispostos. E essa sua característica contribui também para a sua "lenda" no rugby!
3) Depois, o ZG é de uma sociabilidade rara! Fala com todos, procura todos integrar. Se Marcelo Rebelo de Sousa é recebido com ovações pelas funcionárias da faculdade, ZG é-o também, mas pelas "contínuas", que o adoram!
4) Seguidamente, ZG é de uma discrição que só merece elogios. Atenção!, ele não é um desses rapazes moles e palermas, que acha que o melhor que tem a fazer é estar no seu canto, pouco fazendo e desejando que não o incomodem. Não é defensor da estafada tese "Se eu não me destacar, não reparam em mim, e é isso que quero". Na verdade, ZG esforça-se a sério (sobretudo no rugby, é certo...), e recebe, por isso, os mais que merecidos louvores a que já nos referimos. Mas - embora decerto os saboreie com especial prazer - ZG não os espaneja por aí, não se ufana rebaixando os seus colegas menos dotados. Quem já ouviu ZG vangloriar-se sem motivo? Pois, um momento de silêncio seria a expressiva resposta a esta pergunta.
5) Em paralelo, ZG demonstra uma genuína vontade em vencer! Isto, para o seu padrinho (que em tudo vê uma competição, e que teima em achar a vida uma sequência interessante de desafios), é algo de extremamente positivo! Tanto mais que ZG se empenha sem nunca perder as duas características que apontámos acima!
6) ZG nunca foi grande fã de estudos nem de livros. Isto preocupou-me durante longos anos. Cheguei, inclusive, a ler umas coisas sobre o assunto ("crianças que não gostam de ler" e "ele não gosta de ir à escola", etc). Teve azar com o padrinho, que desde há 18 anos (o primeiro Tintim foi dado quando tinha poucos dias) persiste em lhe oferecer livros. E foi "cobaia" de várias experiências literárias minhas, solicitamente coadjuvadas pela Ninana. De Tintim (por quem ZG nunca manifestou qualquer interesse), tentou-se Yakari. Não: o mundo dos índios também não o fascinava! Houve um momento de esperança, com Teresa Maia Gonzalvez, mas cedo soçobrou. Por outro lado, e desde o primeiro dia de aulas, o aniversariante decidiu que o seu futuro não era chegar a catedrático (o que o padrinho achava, para além de normal, até desejável!). Quem se pode esquecer de quando ZG decidiu ser empregado de café (consta que tirava belas bicas!), ou auxiliar de mecânico, quando descobriu que, para lá chegar, não era preciso estudar?
Mas o certo é que- gostando ou não de livros e folhas de teste - o ZG prossegue na sua caminhada escolar. O brilho sedutor de uma carreira no mundo do rugby tem surgido com cada vez maior intensidade e frequência, mas o ZG tem sabido (prova de uma maturidade que a lei só agora reconhece) gerir habilmente a sua carreira - na verdade, aS suaS carreiraS (desportiva e escolar).
7) Não nos podemos esquecer que o ZG é, também, um hábil desenhador! Isto deleita o padrinho, que - não percebendo nada de rugby e sendo a nulidade desportiva por todos conhecida - ali vê uma continuação de uma fortíssima tradição familiar, da qual já saiu um Carlos Reis! Desde pequenino (e apesar de por, preguiça, se ter recusado a aprender as cores cedo, dizendo que tudo era "amarelo"!) que se entretém a desenhar, e que o faz com talento. Oxalá que, nos próximos 18 anos, e apesar das muitas solicitações e afazeres com que decerto se deparará, continue a ter tempo para continuar a fazê-lo!
8)Não quero, também, deixar de referir - e (lamento se ofender alguém) tal, para mim, É uma qualidade - que o ZG é um rapaz que, "em terra de infiéis" demonstra e publicita uma postura católica impecável! É o melhor exemplo que conheço para mostrar que uma fé vivida de forma saudável pode ser característica de um grande desportista e de um rapaz de sucesso! O padrinho (que pouco contribuiu para esta postura do ZG) fica especialmente orgulhoso. E - descendendo, como descende, o ZG de duas das mais pias famílias da Beira - decerto que (lá de onde estiverem) o velho e pio capitalista, o piíssimo Mil Anjos, os pios manos Borges, os padres Marvão, o frade catedrático Henrique do Couto, entre tantos outros - lançarão um sorriso de satisfação face a este seu sucessor.
9) por fim, e egoisticamente, acabo por falar um pouco de mim, e de como o ZG é importante para eu ter uma visão mais justa do mundo. Se não houvesse ZG (e se o ZG não fosse como é) eu, provavelmente, continuaria a achar que todos os desportistas eram burros, e que só o sucesso escolar interessava. Continuaria a achar que o reconhecimento desportivo é algo de efémero e relativo. Ora, o ZG provou - prova, aliás, constantemente - que não é assim! Que um grande desportista, dotado de uma grande personalidade, é, forçosamente, uma grande pessoa! E que, naturalmente, ele próprio - que, para além de ser grande desportista e dotado de grande personalidade, é também tudo o que acima elenquei (e muito ficou por dizer...) e, ainda por cima, meu afilhado - é, mais do que grande, uma pessoa extraordinária! E tenho a certeza que os próximos 18 anos demonstrarão, cada vez mais cabalmente, isso mesmo!
PARABÉNS ZG!!!
Abraço do padrinho super-orgulhoso!

Coração, Raiva e Ensaio...


Coração, Raiva e Ensaio...
Não, o ensaio não é filosófico, nem literário. Mas bem que poderia ser religioso (tal é o seu curriculum eclesiástico), ou mesmo de relações públicas (tal é a sua habilidade natural para socializar). Refiro-me, bem entendido, ao ensaio do jogo de RUGBY!
Refiro-me, claro, ao guerreiro das estepes alentejanas! Ao meu homónimo (claro!, só poderia ter o meu nome!!!!): ZG! – Atenção aos leitores menos avisados: o G não é de júnior (também só nas favelas mais iletradas do Brasil e alguns tradutores dos programas da tvcabo é que poderiam fazer semelhante associação), até por que ele joga, e com todo o brio, nos SÉNIORES!!
Com grande habilidade para a prática desportiva, infelizmente não quis seguir as pisadas do seu ídolo – Marat Safin! -, nunca mais me vou esquecer do nosso pequeno ZG, com 3 ou 4 anos de idade, fazendo gincana numa bicicleta com rodinhas sob a mesa da sala de jantar dos PLs. Que perícia revelou ao contornar os inúmeros obstáculos (brinquedos, jornais, cadeiras e pernas da mesa)!
Ao GRANDE Zé um grande abraço (cravado?) de parabéns. E no Sábado vou ver se estou no Jamor a apioar o CRE (Coração, Raiva e Ensaio)!

sexta-feira, 23 de abril de 2010

Novo blog...

A minha partida para a Suíça aproxima-se, mas antes de ir quero lançar o blog desta nova aventura que me espera... como o impasse sobre o nome é grande, resolvi usar este espaço para recolher opiniões.

Até agora os nomes mais "populares" são:

- "Na terra do Milka"
- " Perdu dans les Alpes"
- "Dans le pays de Milka"

Alguma sugestão?!

segunda-feira, 19 de abril de 2010

em resposta a TPL


Cara TPL,

é claro que me lembro do "volta do mundo"! Um jogo que assegurou que muitos PLs não mais esquecessem onde ficava...Reykjavik (de que anexo uma foto!)!!

domingo, 18 de abril de 2010

Rodada, flic e mortal

É uma estreia absoluta!
Vou tentar pôr no blog o 1º filme.
Este filme tem uma pequeníssima parte do último esquema do grupo de ginástica do PFPL, onde se pode ver uma rodada, seguida de um flic e finalizada com um mortal.
Só posso ser um Pai babado.

video

sábado, 17 de abril de 2010

Sabiam que o Ludo descende de um jogo indiano?


O texto que se segue (em espanhol) descreve o Parchis (hermano do Ludo português).

Existe um tabuleiro cá em casa, vindo de Valência, nos anos oitenta, muito antes de LCO se interessar pelas Índias e Ni se dedicar ao estudo da língua de nuestros hermanos!
«El Pachisi es un juego originario de la India en donde nació en el siglo XVI; el parchís es una variación de este juego, como lo son el Parcheesi, el Ludo o el Parqués. El tablero actual de forma de cruz es tan solo una representación del original que no fue otro que el jardín del emperador Akbar el Grande. El centro del tablero representa el trono en que se colocaba el emperador en el centro del patio. Por su parte, las fichas eran las muchachas indias más bellas que se movían de casilla en casilla y se disputaban el honor de jugar para el emperador. . Los dados que decidían la suerte de los participantes consistían en cauríes, conchas de moluscos que contaban un punto si caían con el hueco hacia arriba.
El nombre del parchís proviene de la palabra pacisi, que significa veinticinco en hindú ya que veinticinco eran las conchas lanzadas en cada tirada.» (Wikipédia)

sexta-feira, 16 de abril de 2010

Joguinhos Deprimentes


Companheiros desta aventura internauta, testemunhas vivas da diáspora PL, a Batalha de La Lys teve um efeito terrível na Maré Cheia (incrível 72 anos depois!), secou a inspiração criativa dos seus fiéis colaboradores. Como não tenho dons divinos para fazer a dança da chuva (cá em casa acusam-me ser um verdadeiro pé de chumbo!), resolvi lançar um novo desafio (já sabe que está condenado ao insucesso, é garantido!) aos leitores da MC: O JOGUINHO DEPRIMENTE!
Inspirado nos tesourinhos deprimentes dos felinos malcheirosos, desafio-vos a procurar nos sótãos das vossas memórias os jogos que marcaram (para o bem e para o mal) a vivência PL. Estou-me a lembrar de alguns épicos como A Volta à Europa, Fórmula 1, Monopólio, Futebol de Mesa (o Futegolo é uma versão melhorada do Futebol Mesa), King, Crapaud, etc.
Como pontapé de saída, proponho O LUDO! É um jogo magnífico (lançado pela Majora em Portugal nos anos sessenta) que abrilhantou muitas tardes e muitos serões PL. Jogo tipicamente para ser jogado em férias, mais na Foz do Arelho, do que na Costa Nova. Suprimiu durante anos a fio a ausência da televisão nas férias, medida draconiana PL mas extremamente saudável (deve haver quem pense de maneira diferente, estou me a lembrar de PPL e MPL que se deslocavam com frequência à FNAT, agora INATEL, para verem os grande prémios de Fórmula 1).
Ficha técnica: O JOGO do LUDO (ver regras http://pt.wikipedia.org/wiki/Ludo)...
Um dos jogos mais tolerados pela ortodoxia PL era o JOGO do LUDO. É Claro que, como todos os jogos, só havia autorização para ser jogado durante o período de férias.
Não era capitalista como o Monopólio – este terá entrado no seio dos PL só na primavera marcelista e a muito custo, como prenda de aniversário de MPL -, não era casino-tabernesco como as cartas de jogar. Era considerado didáctico (obrigava a fazer contas de somar e a tomar decisões estratégicas) e despojado de símbolos pouco católicos (como por exemplo, o dinheiro ou armas).

sexta-feira, 9 de abril de 2010






PARABÉNS JT!
Beijinhos e abraços da família PLCO















Parabéns "Tio Tiago"!

"Ai, ai, o Tio Tiago!!! Esforça-te, estuda, vê se consegues ser tão bom aluno como ele!"

"Ah, o Tio Tiago! Lembro-me tão bem dele! Um dos meus melhores alunos! Espero bem que a próxima geração siga as suas pisadas!"

"Ahhh... com esse nome, deves ser sobrinho do Tiago! É dos alunos de que me lembro melhor!"

Era com estas observações de saudosismo que eu era recebido invariavelmente no Dona. Aparentemente, o meu "Tio Tiago" (que eu toda a vida chamem JT, sem qualquer referência ao grau de parentesco) tinha deixado atrás de si um rasto difícil de apagar de boas recordações naquela escola. Na altura, oscilava (confesso) entre a surpresa (não sabia, até então, que o "Tio Tiago" era assim TÃO conceituado no nosso liceu) e uma ponta de aborrecimento ("Oh não! Lá vêm elas com a mesma conversa, OUTRA VEZ!").

Mas há claras justificações para até as velhas catatuas do Dona dele conservarem as melhores recordações: é que o "Tio Tiago" sempre foi o mais atento e solidário dos Tios (excepção feita quando estava a estudar - sim, o "Tio Tiago" é, de longe, o Tio que me lembro de ser mais "marrão" - ou quando estava de mau humor, altura em que imprevisíveis chapadas podiam voar em qualquer direcção). Vamos lá pensar num par dos muitos exemplos que podia referir:

1) o "Tio Tiago" foi, até agora, a única pessoa que me fez gostar de "jogar" futebol. Claro que este é um "jogar" relativo, porque do que eu gostava era de jogar com o seu fantástico futegolo. E ele, com uma paciência evangélica, nunca dizia que não! Aliás, o seu empenho em converter o sobrinho mais velho em alguém ligeiramente mais receptivo para o desporto (esforço quase épico, característico da obstinação do homenageado) ultrapassou largamente essas sessões de futegolo. A meias com ZN, tentou "converter-me" ao ténis, em que é exímio;

2) o "Tio Tiago" - que para além de desportista talentoso é intelectual unanimente louvado (desde José Vicente de Moura a Eduardo Lourenço, seu guru e admirador) - sempre pugnou para que a cultura dos sobrinhos se desenvolvesse bem e depressa. É engraçado, mas algumas das recordações mais antigas que tenho de livros relacionam-se com ele. Para além de ser uma das "vítimas" da tradução dos Tintim, era ele o dono de um livro que eu e a minha mana adorávamos (e que ele nos lia vezes sem conta), de que segue reprodução da capa;

3) e o "Tio Tiago" também nos educava o gosto musical. Eu fiquei a saber muito mais cedo do que a maior parte dos meus colegas quem eram uma montanha de grupos dos anos 80. Ainda hoje, quando vejo a foto dos Madness que está em anexo, me lembro dele!

4) E foi graças ao "Tio Tiago" que dei os meus primeiros mergulhos na filosofia (indirectamente, claro está!). Todos os que o conheciam ficavam, inevitavelmente, a ficar a saber um mínimo sobre Derrida (uma fixação do passado) e E. Lourenço (a do presente, e há já alguns anos);

Muitas coisas mais havia a referir sobre o "Tio Tiago"! A viagem a Santarém, com Tuxa, pouco antes de casar, o facto de nos ter ensinado a argumentar (senão, cilindrava-nos com a sua retórica poderosa), o não me deixar placar na praia sem dar resistência, o saber o mínimo de regras de uma série de desportos...

Mas de momento, esses são dados desnecessários, e que se resumem a algo muito simples: graças ao "Tio Tiago" (e aos outros tios), desenvolvi uma capacidade que me tem dado imenso jeito ao longo do tempo: capacidade de encaixe, capacidade de reagir, capacidade de não ficar amuado mal alguém me contraria... e capacidade de trabalhar a sério para atingir o que quero, sem tentar nunca perder uma pitada de ironia!

O "Tio Tiago"- que tem a grande qualidade de, mesmo quando está mais afastado, sempre parecer presente - faz hoje anos. Desde Lisboa vão os votos de MUITOS PARABÉNS!! :)

PS: Será que as profs do Dona também celebram a data deste seu sempre lembrado aluno, comentadno "Ai, alunos como o Tiago..."?;)

La Lys ou Parabéns?










Dotado de uma grande cabeça, quer intelectualmente, quer fisicamente (são lendárias as cenas que presenciámos, durante a sua infância, quando se lhe tentava vestir uma camisola cuja abertura ainda que bem dimensionada para a cabeça lusitana era, no entanto, ridiculamente pequena para o nosso cabeçudo!), duma habilidade invulgar para os desportos (desde que não seja pregar pregos), duma memória prodigiosa para os resultados desportivos e dum grande sentido de humor. Referimo-nos ao único PL que nasceu escalabitano e que por graça faz anos hoje que se comemora a grande Batalha de La Lys. Enfim, mas como o rapaz até escreve com alguma frequência na Maré Cheia (com certeza beneficiando de algum grau parentesco com o Director desta prestigiada publicação) merece que lhe sejam dispensadas algumas linhas. Continuando. É genuinamente PhD! Pois é mesmo doutorado em Filosofia! Professor na Universidade mais famosa para lá do Tejo. Grande aficionado do desporto oval e do desporto esférico. Sócio da melhor colectividade desportiva de Portugal (A Briosa, claro!) e joga ténis com a incrível tensão de 17 quilos nas cordas da raquete!
Especialista em EL (se é que faz sentido ser especialista em EL!).
Ultimamente, tem como passatempo favorito passear-se pela auto-estrada A13 para ver se encontra algum PL parado numa área de serviço!
Muitos parabéns JT!
Um grande abraço de Lisboa.

Parabéns Jean-Jacques!

Parabéns João Tiago!
Não penses que te escapas com algo tão simples ...
Daqui a umas horas continuamos com outras fotos.

Beijinhos,
Teresa

E o repórter estava lá


Era costume num matutino do Porto aparecer uma rubrica com este título: “E o repórter estava lá”. Pois bem, não bastava a nossa assídua (?) leitora, e mãe de uma brilhante cronista da Maré Cheia, comemorar este ano 50 primaveras, como, também, celebrar ¼ de século de actividade profissional como médica, conforme nos assegura a Ordem dos Médicos. Não perguntem como, mas E o repórter da MC estava lá! A fotografia de cima comprova… no evento promovido pela Ordem para comemorar os 50 e 25 anos de actividades dos seus membros.
Parabéns Blé!

terça-feira, 6 de abril de 2010

"Este grupo de jogadores (...) poderá em 2015 fornecer vários jogadores internacionais séniores"


Quem o diz é um orgulhoso Nuno Aguiar, ao "A Bola" de hoje (obrigado pela dica, JT!), acrescentando, umas linhas depois, em jeito de elogio à sua imparável equipa: "Em todos os jogos massacrámos os adversários, ora nos avançados ou mesmo com placagens defensivas e dominámos a conquista de bola nas fases estáticas".

Para o PL "massacrador" do grupo (que, de acordo com o prontamente informado pelo seu mano, marcou um ensaio no jogo em questão) vai um forte abraço de parabéns do seu sempre super orgulhoso padrinho!

Encontro Improvável


Às vezes, nas estações de serviço das auto-estradas menos percorridas, acontece o inesperado. Duas embaixadas PL decidem interromper os seus trajectos de regresso a casa após a pausa pascal e sucede um encontro improvável, mas inequivocamente feliz. Como sempre o intrépido (este adjectivo cheira um bocado a Alix, mas, enfim, é o que se pode arranjar a esta hora tardia...) foto-repórter da Cheia estava presente e não deixou escapar a oportunidade de eternizar este momento singelo, mas raro e, porventura, bonito. Por pouco era mesmo um certame (o que ansiei por escrever esta palavra mais uma vez no pouco periódico orgão oficial plimiano...). Por falar nisto, prometo para muito breve revelações importantíssimas acerca da versão em papel desta mesma Maré e também, parece incrível mas é a mais pura das verdades, desse grande momento da história cultural da nossa família, o Teatral. Rigorosamente, a não perder. Fiquem atentos!!!













segunda-feira, 5 de abril de 2010

Páscoa em Coimbra

Com a preciosa ajuda do João Tiago e do João Maria para as massas pascais...

Houve ainda tempo para procurar ovos escondidos, uma partida de futebol e uma final da taça de Portugal!

E, como manda a tradição PL, depois de uns terem ido à Vigilia e outros posto a mesa, juntámos os PL presentes em Coimbra para uma bela ceia pascal!


domingo, 4 de abril de 2010

Páscoa Feliz para todos os PL!!!!!

Eu, a minha mãe, o meu pai, o meu gato, o meu coelho, o meu cão, os meus borregos, os meus patos e as minhas galinhas desejamos uma PÁSCOA FELIZ com mts. chocolates e mts. amêndoas.
Em minha casa a Páscoa foi mt. divertida!!!!!!!! Eu e a minha mãe fomos à Vigília Pascal de Sábado à noite enquanto o meu pai ficou a "tomar conta da casa". Quando chegámos tinhamos um chá de canela pronto à nossa espera. Neste Domingo fui a casa de um amigo do meu pai almoçar e brinquei com o filho dele ( o Tiago ). Ao fim do dia fui ao parque do barreiro e andei de bicicleta, mas, foi por pouco tempo porque dois seguranças vieram chatear-se comigo porque não estava a andar na zona de desporto e disse que eu estava a ser filmada, que a bicicleta era muito grande para aquele parque e proíbiram - me de andar de bicicleta, eu telefonei aos meus pais e o meu pai chateou-se com eles!!!!


Sem mais nada para falar,
Bjs. E

sábado, 3 de abril de 2010

sexta-feira, 2 de abril de 2010

Sion


Eu confesso que, quando a Ninana me falou em Sion, ainda acalentei uma leve esperança de que a Maggie, seguindo as pisadas "orientalistas" do seu primo mais velho, quisesse ir para o velho reino de Sião. O que seria (a meu ver, claro - e talvez não no da Maggie) BASTANTE interessante. Mas, afinal, trata-se de um (uma?) Sion bem europeia. Fomos espreitar umas vistas da terra (é um BOCADO pequena, Maggie, vê lá se não te vais meter numa Leiria suíça!), e até já tenho uma sugesão de morada para a PL que em breve lá se instalará. A casinha amarela do lado direito não está mal, pois não? ;)

Páscoa chez nous


A tradição das massas pascais continua ... embora numa cozinha diferente e sem os ajudantes da foto, pelo menos até à hora da publicação deste post.

Informamos a comunidade PL que hoje nos vamos dedicar ao salpicão, biscoito e ninho e, amanhã, Sábado Santo, faremos as tranças e a célebre galinha.

No Domingo, porém, não estaremos em Coimbra. Vamos almoçar com a Paulita (Diogo e restante família) na Venda do Porco.

O Luís e eu iremos à Vigília Pascal (que não termina à meia-noite, mas sim à 1h da manhã)enquanto a Ninana e seu Pai tratam das decorações e mesa. Quem quiser aparecer para tomar um chá e provar as massas é benvindo.

BOA PÁSCOA!

P.S.: Dias 6 e 7 estarei em Évora a propósito de umas provas de agregação. Ficarei no Hotel Dom Fernando, alguém conhece? Fica muito longe do Colégio do Espírito Santo?

quinta-feira, 1 de abril de 2010

Charada Solum (3?)















Milionário, fanfarrão, parente de jogador famoso da Académica, filho duma colega da AC na Cambridge School (que constantemente se escandalizava com as provocações dum outro colega, C. Keating, que trazia com frequencia para as aulas os vídeos dos Monty Python).
Jogador de basquete até” perceber” que os brancos não jogam os jogos jogados pelos afro, mas sim rugby. Não crente em Deus porque é racional. Alcunha com duas sílabas: primeira meia-capa seguido de número mágico da matemática.
Tentem advinhar o famoso personagem que viveu na Solum.